8 de dez de 2015

[EU ESCRITOR] Mudança de Coração - Como obtê-la e mante-la.

Artigo escrito para o portal OsMormons.com


     Para nós, conversos, algo acontece de muito diferente quando conhecermos o Evangelho de Jesus Cristo, conhecemos uma possibilidade de mudar nossa vida, deixando para traz o passado e conhecemos novas possibilidade de viver uma vida justa, reta e digna. Muitos de nós já cumpríamos muitos dos mandamentos e conhecíamos algumas partes do evangelho Dele, alguns já viviam a palavra de sabedoria sem conhece-la e muitos outros aspectos. Acredito que para os nascidos no convênio algo muito semelhante ocorre em busca de um testemunho da veracidade do Evangelho e do Livro de Mórmon.
  O fato é que ao conhecermos o Evangelho precisamos fazer uma mudança em nosso coração, com real intenção, com a semente da fé e demonstrando pelas obras que deseja seguir o exemplo de Jesu Cristo e então ser batizado. Ao fazer este convênio começamos a compreender mais plenamente, com a companhia do Espírito Santo, o Plano de Salvação e todo o plano do Senhor para nossas vidas e continuamos descobrindo isso aos poucos com a benção patriarcal e o privilégio sagrado das ordenanças do templo. Dia ou outro chega a vontade de largar tudo, muitas vezes sem motivos e muitas vezes com muitos motivos, vendo erros dos líderes, não concordando com posicionamentos, achando falhas e superestimando sua colaboração e ajuda para o Reino e sociedade em geral, muitas vezes colocando seu coração no lugar onde não deveria estar. Gostaria de citar alguns pedaços do discurso do agora Apóstolo Dale G. Renlund "Preservar a Vigorosa Mudança de Coração": 
   "Em dezembro de 1967, foi realizado o primeiro e bem-sucedido transplante de coração na Cidade do Cabo, África do Sul. Foi retirado o coração doente e moribundo de um homem e implantado em seu lugar um coração saudável de um doador falecido. [...] O corpo de cada paciente que recebe um transplante de coração reconhece como “estranho” o novo órgão capaz de salvá-lo e começa a atacá-lo. Se nada for feito para evitar isso, a reação natural do corpo será a de rejeitar o coração, e o paciente morrerá. Há remédios que podem suprimir essa reação natural, mas a medicação tem que ser tomada diariamente e com exatidão. Além disso, a condição do novo coração precisa ser monitorada. Às vezes, são feitas biópsias do coração, na qual pequenos fragmentos de tecido são removidos e examinados com um microscópio. Quando são encontrados sinais de rejeição, faz-se um ajuste na medicação. Se o processo de rejeição for detectado logo, pode-se evitar a morte.

É surpreendente ver como alguns pacientes são descuidados com seu transplante de coração. Eles não tomam os remédios como foram prescritos e não vão ao médico com o mínimo de frequência que deveriam. Pensam que, como se sentem bem, está tudo certo. Muitas vezes, essa falta de visão em termos de atitude coloca em risco o paciente e encurta sua vida.
   Um transplante de coração pode prolongar por anos a vida de uma pessoa que, de outra forma, morreria de insuficiência cardíaca. Mas isso não é “o máximo em matéria de operações”, como disse a revista Time em 19671: a operação mais importante não é a física, mas sim, a espiritual — a “vigorosa mudança de coração”.
Por meio da Expiação de Cristo e pela obediência às leis e ordenanças do evangelho, passamos por essa operação suprema, essa mudança espiritual de coração. Como consequência de nossas transgressões, nosso coração espiritual fica doente e endurecido, tornando-nos sujeitos à morte espiritual e a nossa separação do Pai Celestial. O Senhor explicou sobre a operação de que todos nós precisamos: “Dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne”.
    Assim como para os pacientes transplantados, essa vigorosa mudança em nosso coração espiritual é só o começo. O arrependimento, o batismo e a confirmação são necessários — mas não são suficientes. Na verdade, precisamos tomar igual — senão maior — cuidado com o coração que foi mudado espiritualmente, do que com o coração transplantado, se quisermos perseverar até o fim. Somente dessa forma poderemos permanecer sem culpa na hora do julgamento.
   Perseverar até o fim pode ser difícil, porque a tendência do homem natural é rejeitar o coração espiritualmente mudado e deixar que ele endureça. Não é de admirar que o Senhor tenha advertido: “até os mais santificados estejam também atentos”.
Todos nós conhecemos pessoas que passaram por essa vigorosa mudança de coração, mas logo depois cederam ao homem natural. Elas foram descuidadas em sua adoração e devoção a Deus, seu coração endureceu e, assim, colocaram em risco a própria salvação eterna. [...]
   Certo domingo, no fim do meu primeiro ano de residência, eu sabia que provavelmente sairia lá pelas 14 horas. Contudo, percebi que, se eu ficasse no hospital só mais um pouquinho, minha esposa e minha filha iriam sem mim. Então eu poderia ir a pé para casa e tirar um cochilo de que tanto precisava. Fico triste em confessar, mas foi o que eu fiz. Esperei até as 14 horas e 15 minutos, fui para casa a pé, bem devagar, e deitei-me no sofá, ansioso para tirar uma soneca, mas não consegui dormir. Fiquei inquieto e preocupado. Eu sempre adorei ir à Igreja. Fiquei indagando por que, naquele dia, eu não sentia o zelo e o ardor do testemunho de antes.
   Não precisei pensar muito. Por causa dos meus horários de trabalho, eu me tornara um tanto descuidado quanto a minhas orações e ao estudo das escrituras. Eu me levantava de manhã, fazia uma oração e ia trabalhar. Muitas vezes, emendava a noite com o dia num plantão e só voltava para casa tarde da noite no dia seguinte. Ficava tão cansado que caía no sono antes de fazer uma oração ou de ler as escrituras. Na manhã seguinte, o processo recomeçava. O problema é que eu não estava fazendo as coisas básicas necessárias para preservar a vigorosa mudança em meu coração e evitar que ele virasse pedra. [...]
Para perseverar até o fim, precisamos estar ansiosos para agradar a Deus e adorá-Lo com fervor e dedicação. [...] Por favor, avaliem o estado de seu coração transformado. Conseguem detectar qualquer sinal de rejeição como resultado da tendência do homem natural de ser descuidado? Se perceberem isso, encontrem um lugar em que também possam colocar-se de joelhos. Lembrem-se de que está em risco mais do que anos mortais nesta Terra. Não se arrisquem a perder os frutos de sua “operação” mais importante: a salvação e a exaltação eternas."




     Este discurso reuniu grandes e preciosas informações e conselhos para mantermos nosso coração transformado, negando ao homem natural seu desejo de trata-lo como "corpo estranho". Gostaria de agora citar mais alguns versículos que encontram-se em Alma 5: 
"v. 12 E em virtude de sua fé, verificou-se uma grande mudança em seu coração. Eis que vos digo que tudo isso é verdade.

 v. 14 [...] Haveis experimentado esta poderosa mudança em vosso coração?
 v. 26 E agora, eis que eu vos digo, meus irmãos, se haveis experimentado uma mudança no coração, se haveis sentido o desejo de cantar o cântico do amor que redime, eu perguntaria: Podeis agora sentir isso?"
    Percebi que temos vários conselhos nos capítulos 5 e 7 de Alma onde podemos encontrar atributos e ações, além de perguntas reflexivas, que devemos desenvolver/realizar para mantermos nosso coração mudado, nosso olhos fitos na glória de Cristo e então ser possível que nos tornemos como ele é:
  • Exercer fé na redenção daquele que nos criou;
  • Olhar para o futuro com os olhos da fé;
  • Tenho consciência limpa quanto minhas obras na Terra?;
  • Sois suficientemente humildes?;
  • Estais despidos do orgulho?;
  • Estais despidos da inveja?;
  • Quisera que fôsseis humildes e submissos e mansos; fáceis de persuadir, cheios de paciência e longanimidade; sendo moderados em todas as coisas; guardando diligentemente os mandamentos de Deus em todos os momentos; pedindo as coisas necessárias, tanto espirituais como materiais; agradecendo sempre a Deus por tudo quanto recebeis e procurai ter fé, esperança e caridade; e então fareis sempre boas obras em abundância.
    Sobre ser mais semelhante a Cristo, tendo assim seu coração voltado para Cristo, temos o dever de ser não somente membros da Igreja mas sim plenos discípulos de Cristo, no manual missionário Pregar Meu Evangelho temos no capítulo 6 uma atividade com diversas perguntas que nos ajudam neste diagnóstico, seguem algumas delas:
As respostas devem ser nunca, as vezes, frequentemente, quase sempre e sempre.


Fé 

_____ 1. Creio em Cristo e O aceito como meu Salvador. (2 Néfi 25:29) 
_____ 2. Tenho a certeza de que Deus me ama. (1 Néfi 11:17) 
_____ 3. Confio o suficiente no Salvador para aceitar Sua vontade e fazer tudo o que Ele me pede. (1 Néfi 3:7) 
_____ 4. Acredito firmemente que por meio da Expiação de Jesus Cristo posso ser perdoado de todos os meus pecados. (Enos 1:5–8)
_____ 5. Tenho suficiente fé em Cristo para receber respostas para minhas orações. (Mosias 27:14) 
_____ 6. Penso no Salvador durante o dia e lembro-me do que Ele fez por mim. (D&C 20:77, 79) 
_____ 7. Tenho a fé necessária para ajudar-me a fazer com que coisas boas aconteçam em minha vida e na vida de outras pessoas. (Éter 12:12) 
_____ 8. Sei pelo poder do Espírito Santo que o Livro de Mórmon é verdadeiro. (Morôni 10:3–5) 
_____ 9. Tenho suficiente fé em Cristo para realizar tudo o que Ele deseja que eu faça, até milagres, se necessário. (Morôni 7:33) 

Esperança 
_____ 10. Um de meus maiores desejos é herdar a vida eterna no reino celestial de Deus. (Morôni 7:41) 
_____ 11. Tenho certeza de que minha missão será bem-sucedida e feliz. (D&C 31:3–5) 
_____ 12. Sinto-me tranqüilo e otimista a respeito do futuro. (D&C 59:23) 
_____ 13. Acredito firmemente que um dia habitarei com Deus e me tornarei semelhante a Ele. (Éter 12:4) 

Caridade e Amor 
_____ 14. Tenho sincera preocupação pelo bem-estar eterno e felicidade das pessoas. (Mosias 28:3) 
_____ 15. Quando oro, peço para ter caridade, o puro amor de Cristo. (Morôni 7:47–48) 
_____ 16. Procuro compreender os sentimentos das pessoas e ver as coisas pelo ponto de vista delas. (Judas 1:22) 
_____ 17. Perdoo as pessoas que me ofenderam ou me fizeram mal. (Efésios 4:32) 
_____ 18. Procuro ajudar as pessoas quando estão tendo dificuldades ou se sentindo desanimadas. (Mosias 18:9) 
_____ 19. Quando adequado, digo às pessoas que as amo e me preocupo com elas. (Lucas 7:12–15) 
_____ 20. Procuro oportunidades de servir as pessoas. (Mosias 2:17) 
_____ 21. Digo coisas positivas a respeito das pessoas. (D&C 42:27) 
_____ 22. Sou bondoso e paciente com as pessoas, mesmo quando é difícil conviver com elas. (Morôni 7:45) 
_____ 23. Sinto alegria pelas realizações de outras pessoas. (Alma 17:2–4) 

Virtude 
_____ 24. Sou limpo e puro de coração. (Salmos 24:3–4) 
_____ 25. Não tenho o desejo de fazer o mal, mas, sim, de fazer o bem. (Mosias 5:2) 
_____ 26. Sou digno de confiança. Faço o que disse que faria. (Alma 53:20) 
_____ 27. Concentro-me em pensamentos dignos e inspiradores e coloco os pensamentos prejudiciais para fora de minha mente. (D&C 121:45) 
_____ 28. Arrependo-me de meus pecados e procuro vencer minhas fraquezas. (D&C 49:26–28) 
_____ 29. Sinto a influência do Espírito Santo em minha vida. (D&C 11:12–13) Conhecimento 
_____ 30. Tenho confiança em minha compreensão das doutrinas e princípios do evangelho. (Éter 3:19–20) 
_____ 31. Estudo as escrituras diariamente. (João 5:39) 
_____ 32. Procuro sinceramente compreender a verdade e encontrar respostas para minhas perguntas. (D&C 6:7) 
_____ 33. Recebo conhecimento e orientação por meio do Espírito. (1 Néfi 4:6) 
_____ 34. Amo e valorizo as doutrinas e princípios do evangelho. (2 Néfi 4:15) 

Paciência 
_____ 35. Espero pacientemente que as bênçãos e promessas do Senhor sejam cumpridas. (2 Néfi 10:17)
 _____ 36. Sou capaz de esperar as coisas sem ficar frustrado ou irritado. (Romanos 8:25)  
_____ 37. Sou paciente e tranqüilo em relação aos desafios de ser missionário. (Alma 17:11) 
_____ 38. Sou paciente com os erros e fraquezas das pessoas. (Romanos 15:1) 
_____ 39. Sou paciente comigo mesmo e confio no Senhor ao esforçar-me para vencer minhas fraquezas. (Éter 12:27) 
_____ 40. Enfrento as adversidades e aflições com calma e esperança. (Alma 34:40–41) 

Humildade 
_____ 41. Sou manso e humilde de coração. (Mateus 11:29) 
_____ 42. Confio na ajuda do Senhor. (Alma 26:12) 
_____ 43. Sou sinceramente grato pelas bênçãos que recebi do Senhor. (Alma 7:23) 
_____ 44. Minhas orações são honestas e sinceras. (Enos 1:4) 
_____ 45. Gosto de receber orientação de meus líderes e professores. (2 Néfi 9:28) 
_____ 46. Esforço-me para ser submisso à vontade do Senhor, seja ela qual for. (Mosias 24:15) 

Diligência 
_____ 47. Trabalho eficazmente, mesmo quando não estou sob pressão ou sob supervisão severa. (D&C 58:26–27) 
_____ 48. Concentro meus esforços nas coisas mais importantes. (Mateus 23:23) 
_____ 49. Faço uma oração pessoal pelo menos duas vezes por dia. (Alma 34:18–27) 
_____ 50. Concentro meus pensamentos em meu chamado como missionário. (D&C 4:2, 5) 
_____ 51. Estabeleço metas e planejo regularmente. (D&C 88:119) 
_____ 52. Trabalho arduamente até que a tarefa esteja terminada com sucesso. (D&C 10:4) 
_____ 53. Tenho alegria e satisfação em meu trabalho. (Alma 36:24–25) 

Obediência 
_____ 54. Quando oro, peço forças para resistir à tentação e fazer o que é certo. (3 Néfi 18:15)
 _____ 55. Guardo os mandamentos exigidos para ser digo de uma recomendação para o templo. (D&C 97:8) 
_____ 56. Estou disposto a obedecer às regras da missão e seguir o conselho de meus líderes. (Hebreus 13:17) 
_____ 57. Esforço-me por viver de acordo com as leis e princípios do evangelho. (D&C 41:5)

BÔNUS: Alguns coisas que sabemos sobre o livro de Apocalipse graças a Joseph Smith
Clique na imagem para ampliar