26 de jun de 2012

Tarefa 3


Clique para ampliar


Com certeza todos já ouviram a frase: “Ninguém vive só”. Diversos profissionais já concordaram com essa expressão, em músicas, artigos, livros, etc. Diariamente, nós, pessoas comuns, também acabamos refletindo sobre isso e chegando a conclusão de que é a mais pura verdade. Somos indivíduos que vivem em sociedade e assim, tendo direitos e deveres, estamos conectados uns aos outros.
Essa relação entre seres se expande do relacionamento pessoal ao relacionamento profissional, em qualquer um dos setores da economia: primário, secundário e terciário. Seres humanos e natureza, formando o meio ambiente e consequentemente tornando-se indissolúvel. Como utilizamos materiais da natureza e o trabalho do homem para transformá-lo em algo, mantemos essa ligação constante.
Um setor depende dos demais, precisa-se da produção de matéria-prima, da transformação e da comercialização da mesma. Já a construção de uma casa, desde compra do terreno até a casa pronta, abrigando pessoas de diversas profissões, dentro do mesmo espaço, assim tendo uma ligação de várias profissões com o foco em um único objetivo: A CASA.
 Segue o nosso video, que mostra dois casos, onde as profissões se relacionam direta e indiretamente mostrando que os trabalhadores podem trabalhar de várias formas, para seu sustento, ou para um únivo objetivo.





Entrevista com Gilberto Seleme

Ao centro, Gilberto Seleme com Marina Silva
O industrial Gilberto Seleme é engenheiro civil, formado na Pontifícia Universidade Católica do Paraná, em Curitiba. É casado com Cristiane Costa Ganz Seleme e tem três filhos.
Iniciou no setor madeireiro por incentivo de seu pai, o empresário Elias Seleme Neto. Ocupou vários cargos na área social e empresarial de nosso Estado e Município.
Atualmente é vice-presidente para a região Centro-norte da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina- FIESC e principal liderança do ramo industrial madeireiro em Santa Catarina.
É Diretor da Madeireira Seleme Ltda;
Presidente da Fundação Universidade Alto Vale do Rio do Peixe- FUNIARP;
Membro do Conselho Técnico do SENAI;
Membro do Fórum Regional de Desenvolvimento de Santa Catarina;
Membro da Câmara de Comércio Exterior da FIESC;
Membro do Sindicato da Indústria da Madeira de Caçador.
Foi fundador e primeiro presidente do Sindicato da Indústria da Madeira em Caçador;
No Sistema FIESC, começou como diretor adjunto na gestão de Milton Fett. Na sequência participou das duas gestões de Osvaldo Douat, duas gestões de José Fernando Xavier Faraco e duas gestões de Alcantaro Corrêa. No dia 12 de agosto de 2011, tomou posse como Vice-Presidente Regional da FIESC na gestão de Glauco José Côrte.
Seleme representa uma região que abrange Canoinhas, Porto União, Curitibanos, Videira, Fraiburgo, Santa Cecília. Enfim todo o Centro Norte e Alto Vale do Rio do Peixe.

Seguem as perguntas:
1. Na sua opinião como pode o jovem hoje fazer suas escolhas quanto ao mercado de trabalho, curso técnico e universidade?
R. Primeiramente é preciso entender as diferenças entre os dois tipos de formação. Um curso técnico atribui um diploma formalmente reconhecido de um profissional com ensino médio profissionalizante. Sua área de atuação é mais operacional. Já o curso de graduação, um curso universitário forma um profissional com uma amplitude de atuação maior. É uma formação que leva mais tempo justamente porque prepara o profissional para determinada área, sendo então o responsável, quem vai responder pelo desempenho e resultado do trabalho. Por exemplo, um técnico em edificações treina, coordena e efetiva o pagamento da mão-de-obra. Já um engenheiro civil projeta, gerencia e acompanha todas as etapas de uma construção ou reforma. Para escolher entre um curso técnico ou um curso de graduação a pessoa precisa analisar suas necessidades no momento, sua disponibilidade de tempo para o curso e suas pretensões para o futuro.
2. E como pode o jovem fazer para buscar informações, onde e com quem ele pode esclarecer dúvidas?
R. A UNIARP em Caçador e em Fraiburgo disponibiliza um setor exclusivo para orientar e informar os interessados em cursar uma graduação. O Setor de Apoio ao Estudante (SAE) tem por objetivo dar atendimento ao acadêmico, oferecendo serviços de informação e orientação, possibilitando-lhe continuar seus estudos. O SAE orienta solicitações de bolsas de estudo, encaminha para estágios remunerados, auxilia a encontrar moradia e proporciona informações para preenchimento de requerimentos e elaboração de projetos.


3. Em nossa região, quais são as tendências na visão trabalhistas, que áreas provavelmente virão a obter mais crescimento e de que forma pode o jovem participar destas transformações (adaptando seu currículo, fazendo novos cursos, pós-graduações..)

R.O jovem deve ser empreendedor e a acreditar no seu sucesso, se especializar em tecnologia e deve se adaptar as indústrias já existentes escolhendo uma atividade dentro de sua aptidão. tb na nossa região tem-se desenvido muito como transp servi comer agricultura. o  jovem não pode esperar de braços cruzados para alcancar o sucesso e sim ir em busca do mesmo.

 
A importância do Ensino superior
Relatório divulgado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) revela que no Brasil, ter curso superior resulta em um aumento de 156% nos rendimentos. Um salário mínimo de R$ 545 seria elevado para quase R$ 1.400, por exemplo. Um salário de R$ 2 mil viraria R$ 5.120 com curso superior. É o mais alto índice entre todos os 30 países pesquisados. De acordo com a OCDE, no Brasil 68,2% dos indivíduos que completaram a universidade ou um programa avançado de pesquisa ganham duas vezes mais que a média de um trabalhador.

3. As possíveis conexões entre diferentes profissões. Na sua visão como reitor de universidade. Exemplo para melhor compreensão: o que o mecânico tem a ver com a costureira?
R. o mecanico deve deixar a maquina em bom estado de uso para que a costureira possa realizar suas atividades, tem que ter um bom mecanico para a sua máquica, e tb do mec pode realizar novas adaptações que a torne o trab mais confortável.


A primeira foto é a que deixou seleme conhecido entre todos os que assistiram a luta do caçadorense Júnior Cigano dos Santos. e na Segunda Sr. Gilberto acompanhado de Junior.





Entrevista com Paulo Eugênio de Oliveira, 45 anos, engenheiro químico e trabalha como analista de meio ambiente p/ a CODEMIG, que é uma empresa do Estado de Minas Gerais responsável por grandes projetos de desenvolvimento econômico.

Equipe: Sobre conexões, assim como no meio-ambiente, biodiversidade, cadeia-alimentar, no mercado de trabalho uns também dependem dos outros, o que o senhor tem a dizer sobre isso?

Paulo: Na verdade, quando estamos estudando na escola, dividimos os campos do conhecimento em pequenos blocos p/ facilitar a tarefa: a geografia, a matemática, a física, etc. Podemos assim nos aprofundarmos em diferentes assuntos, mas é preciso ter consciência de que estamos fazendo um "recorte" do nosso objeto de estudo. A visão obtida é necessariamente fragmentada

No mundo do trabalho, todas as áreas do conhecimento possuem pontos de contato, por exemplo, um geógrafo precisa lançar mão de recursos matemáticos p/ poder fazer seus mapas, um físico precisa entender da química dos cristais, o veterinário precisa entender de estatística p/ saber como um remédio atua nos animais e assim por diante.  Chamamos a isto interdisciplinaridade.

No caso das ciências ambientais, isto é particularmente importante, visto que o gestor ambiental pode ter sua formação na biologia, na geografia, engenharias, etc.,  mas precisa entender um pouco de cada área quando está fazendo um estudo de impacto ambiental, por exemplo, visto que ele precisará contratar profissionais de cada área, orientá-los, corrigir o trabalho deles e assumir a responsabilidade por isso perante os órgãos ambientais. Eu, por exemplo, sou engenheiro químico como disse, e contrato estudos biológicos, plantio de mudas, recuperação de áreas degradas, estações de tratamento de efluentes, diagnósticos geológicos etc.

Na escola de engenharia dizemos que o engenheiro químico é "especialista em generalidades", pois tem uma série de conhecimentos básicos mas ainda não nos especializamos em nada. À medida em que vamos trabalhando é vamos nos especializando naqueles assuntos que atraem mais a nossa atenção e no conhecimento que vamos precisando mais para fazer o nosso trabalho.

Por isso, além de precisarmos entender de várias áreas, também podemos nos "bandear" p/ áreas próximas, , como é o caso do engenheiro químico que vai p/ a área de meio ambiente, tudo dependendo das nossas preferências e das  oportunidades que vão aparecendo.


Entrevista com Abu-Hassan Koroma, 51 anos, Springfield, VA-EUA. Entrevista feita via e-mail (se alguém quiser cópia original -em inglês- é só me mandar um e-mail em juniorklaus8@gmail.com)
 
Equipe: Com o que você trabalha atualmente?

Abu-Hassan: Eu sou um Consultor sem fins lucrativos e Estrategista de Mídias Sociais. Eu sou também o Presidente Fundador e CEO do Vigésimo Primeiro Movimento da Juventude Século Africano.

Equipe: Você nasceu nos Estados Unidos?
 
Abu-Hassan: Não, nasci em Mattru Jong, Serra Leoa, África Ocidental

Equipe: Por favor, conte-me sobre sua experiência nos EUA.

Abu-Hassan: Eu amo os EUA. Tenho vivido aqui desde 1991. É um país com muitas oportunidades mas também desafios.

Equipe: Qual é a sua visão do mercado de trabalho hoje, como você acha que os jovens devem se preparar para o trabalho?

Abu-Hassan: O mercado de trabalho nos Estados Unidos é um pouco frustrante, especialmente para os jovens que saem da faculdade com empréstimo do estudante (não tenho certeza, mas acho que este "
student loan", seja uma forma de financiar a faculdade, ou um dinheiro que se tem fora dela, ao término) e cartões de crédito. Eu não sei o que o futuro nos reserva, mas, novamente, as oportunidades abundam.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~


Melancolia I, 1514 - Albrecht Dürer
Links Úteis:

Gostariamos de pedir desculpas aos jurados pois por um erro do blogger (sim, pois o HTML está incorporado) o video feito para a tarefa 2, não estava ali abaixo.. porém segue o link e o código HTML para garantir. Para garatir total ética e integridade podemos observar que o video foi publicado em 16/06/2012, mostrando que este foi realmente feito para a Tarefa 2. Link: http://www.youtube.com/watch?v=8PnG4onywro&feature=youtu.be, incorporado:  
e se por acaso vocês puderam visualiza-lo na tarefa 2 peço perdão novamente pois no meu navergador (mozila) este não foi possível! Muitissímo Obrigado, Equipe Caçadores do Conhecimento - Claudio e Daniel. NÓS TEMOS CONSCIENCIA DE QUE ESTE NÃO IRÁ MODIFICAR NOSSA NOTA!,