30 de ago de 2012

Infraestrutura escolar já tem muitas previsões para o futuro

Há alguns posts atrás postei sobre a educação e a tecnologia e as "salas de aulas do futuro", tendências e etc. Venho hoje para explorar mais sobre este assunto.
"OLHOS ELETRÔNICOS"

  As salas do futuro têm um "quê" de assustador: os alunos serão ainda mais vigiados do que nos dias de hoje. Microcâmeras forneceram imagens de tudo o que se passa no ambiente e, na teoria, o administrador do sistema poderá ver o que cada um faz em seus tablet PCs.

AQUI, TUDO SE COPIA

  Quando é necessário apagar a lousa, nenhuma das anotações é perdida. A tela é salva como arquivo digital e pode ser reacessada a qualquer momento. Se você perdeu alguma explicação importante, a fala do professor e as discussões em sala são gravadas por um microfone e podem ser convertidas em arquivos de áudio, como os de formato MP3
CANETA INTELIGENTE
  O software da lousa possibilita que o professor anote na tela usando canetas especiais, parecidas com pincéis atômicos comuns. A diferença é que elas "escrevem" em linguagem digital e podem ser apagadas com um comando na tela. E, com o mecanismo que reconhece palavras, a letra de mão pode ser convertida em fonte de computador. Ou em mecânismos como a WizPen usada na escola de idiomas Wizard.

CENTRO NERVOSO

  Todas as informações da aula ficam guardadas em um servidor central, igual aos computadores com grande capacidade de armazenamento encontrados hoje em empresas. Ele permite o acesso à internet para todos os micros conectados a ele e possui espaço para salvar milhares de novos arquivos

ESCRITA INFORMA(L)TIZADA

  Em vez dos cadernos com folhas de papel, o aluno usa o chamado tablet PC, um micro em forma de prancheta conectado ao servidor central da escola. O estudante pode entrar na internet ou salvar anotações em sua pasta específica no servidor

AULA PARTICULAR

  Na hora de estudar em casa, o aluno pode acessar pela web todo o material da aula armazenado no servidor: o áudio do professor, as telas escritas na lousa inteligente e suas anotações no tablet PC. Colégios e faculdades também podem colocar no servidor arquivos extras e tarefas complementares.
 
CIBERARQUITETURA
 
  O espaço físico tradicional se aprofunda no espaço digital, experimentado pelos alunos tanto em classe como em casa, lan houses e outros lugares. A sala de aula também é biblioteca, laboratório de ciências, sala de artes e laboratório de informática. O conteúdo das aulas segue a recomendação do Ministério da Educação, mas a forma como são ministradas é totalmente inovadora.
  Cada fenômeno a ser estudado é contextualizado, problematizado, investigado e modelado, de maneira que seja apreendido em seu sentido mais amplo. Os alunos são ativos, participam das aulas com pesquisas e precisam filtrar as informações que encontram na internet. Tornando os alunos mais capazes de gerir suas vidas e preparando-os para o mercado de trabalho (pois os computadores são divididos por 3 alunos, como em ilustração abaixo) e para a vida, não somente para o vestibular. Em um projeto sobre energia, por exemplo, o professor inicia a aula mostrando, no quadro digital, um vídeo do YouTube de jogadas do Pelé. Em seguida, diz que os músculos do jogador são movidos por energia e pergunta de onde ela vem. E os alunos respondem que vem das mitocôndrias, através da síntese de ATP e assim em diante.

Ao longo desse processo, o aluno descobre que, para ter energia muscular, Pelé teve que se alimentar. Estuda, então, a transformação de energia no corpo humano e a pirâmide alimentar. O professor explica a fotossíntese das plantas e fala que o Sol (energia nuclear pura) é o grande responsável pela transformação de oxigênio em alimento para a planta. As aulas não são expositivas, mas interativas e com intensa pesquisa online. Os materiais usados ficam guardados dentro de armários – cada projeto tem o seu conjunto de equipamentos.

No Instituto Unibanco, Carvalho Neto (professor) capacita um grupo de jovens professores que se mostra feliz com o novo método. Depois das aulas, muitos permanecem em sala, discutindo, questionando e aprimorando sua própria didática. Técnicas inovadoras também estão nas salas da Escola SESC de Ensino Médio.

 
Simulação feita pelo site da Revista Época



Referências:
http://www.classroominthefuture.com/ - Acessado 30/08/2012
http://mundoestranho.abril.com.br/materia/como-sera-a-sala-de-aula-do-futuro - Acessado 30/08/2012
http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI12447-15254,00-A+SALA+DE+AULA+DO+FUTURO.html - Acessado 30/08/2012
http://acriacao.com/2009/03/24/a-concepcao-da-sala-de-aula-do-futuro/ - Acessado 30/08/2012
Aqui reportagem na Folha.